sábado, 26 de novembro de 2011

Carta de 22 semanas

Meu amor,

Queria te dizer uma coisa. Acabei de ler em um lindo email que "a criança é quem escolhe onde vai nascer e sabe muito bem o que a espera". E me sinto feliz em chegar à metade de um caminho, que com certeza, vai ter o final mais lindo de todos.
Ou melhor: "um começo-final". Porque hoje, posso dizer que você pode, sim, esperar o melhor de mim. Como mãe, como mulher, e porque não: como menina.
Foi esperando por você que aprendi a viver em toda a intensidade do curso real que é a vida. Aprendi a me descobrir de uma forma tão intensa, que mesmo depois de tudo que "passamos", mesmo por vezes querendo tirar o coração fora do peito, eu passaria novamente. Sim, verdade. Não é toda mulher que tem o privilégio de ver mais que uma mãe - uma linda mulher nascer.
É lindo acordar e saber que nosso coração está batendo junto nesse curso. É lindo me descobrir bonita de uma forma diferente. É lindo não me sentir vazia, pois estou cheia de amor - do teu amor. É lindo ver a forma como tudo está sincronizado: se estou rindo, o teu ritmo dentro de mim é de alegria, pula que nem pipoca. A mesma pipoca que fez você mexer em Recife.
É lindo chorar, me sentir magoada, injustiçada e ver você chutando delicadamente, como quem diz: estou aqui, mamãe. Estou aqui para te consolar. E juntos somos um só e nada mais importa.
Porque nossa felicidade não é uma festa embriagada. Nossa ritmo vem de uma festa linda no céu. É o puro estado de graça. O amor mais autêntico da vida.
Tua força me motiva e minha força te faz viver. Por você, mudo meus planos. Pra você, dou a família mais terna do mundo. Perto do céu azul. Perto dos sorrisos de domingo. Do dengo de quem passou a viver esses meses intensamente comigo.
Não vejo a hora de ver teu primeiro olhar. De acompanhar teu primeiro sorriso. De ver você na prainha com vovô. O nosso lugar.
E sabe de uma coisa: o meu lugar. O lugar que só redescobri com a tua ajuda. E por isso, te agradeço.
Te agradeço por fazer me encontrar em minha essência. Por redescobrir esse amor e saber onde está meu caminho: nosso lar.

Chegamos à metade de um caminho lindo. Passamos por desafios, dores, por almas vazias, pessoas que só existiram para nos machucar, por julgamentos duros, por acusações. Mas passamos. E nada mais nos fará cair, desistir ou voltar atrás.

E passamos, passamos. E vamos passar. Sempre juntos.

Meu amor. Não vou dizer que foi fácil, mas posso dizer que vai ser a melhor coisa do mundo. Conhecemos as pessoas mais lindas do mundo. Ouvimos as histórias mais incríveis. Descobrimos um significado tão profundo da vida, que isso só poderia ser escrito por Deus.

Foi exatamente ele quem escreveu a nossa história.

Meu amor,

obrigada pelo carinho na barriga de todo dia.

Obrigada pelo amor mais puro, sincero e real. Obrigada por guiar meus passos para voltar ao início de tudo - ao lugar e à pureza.

Você ainda vai descobrir o mundo. E pode ter certeza: vai ser o mundo que você me ajudou a descobrir.

=)

sonho de Deus

"porque toda injustiça que passaste e ainda passas... por toda paciência que tiveste... pela força, pelo medo que virou amor.
tudo isso vai ser um motivo a mais de alegria".

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Você ainda não sabe.

Apenas quando ele aprendeu a amar, ela soube perdoar.

( de trechos aleatórios)

Da despedia

Falta pouco para começarmos uma nova história.
Um lugar tranquilo, bem longe daqui. E só o amor pode chegar lá.

(chega novo ano...)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Mudanças

Menina que vira mãe:

É uma transformção tão bonita e incrível quanto a paixão que vira amor. :)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Tiaguinho e praia!

Você traz a calma que só o amor pode sentir.
Só o mar em seus dias mais bonitos.
Aqueles dias em que ele reflete o sol,
depois de passar por dias agitados.

É por isso que agora, eu amo praia.

( Aliás, a gente ama. )

Olhos quadrados

09/01/09

(perdido no e-mail. Alterado hoje)



De todos os curtos prazeres da vida daquele menina de olhos quadrados, o melhor deles era jogar granulado de brigadeiro no chão.
Era interessante ver como o seu dia podia mudar quando ela ainda acompanhava com seu olhar aquelas bolinhas, que sem brigadeiro, não pareciam ter significado algum.
É. Talvez alguém confundisse com um resto de purpurina de festa de criança, com partes de brinquedos mastigados, ou até com fragmentos de algum lápis perdido por aí.
Só a menina dos olhos quadrados poderia perceber um granulado colorido no chão.
E que beleza aquilo tinha no seu dia.

E isso só poderia ser comparado ao sorriso em um dia triste.

Porque desde que conheceu um pouco da tristeza, o que não era muito comum na sua idade, a menina dos olhos quadrados descobriu os pequenos instantes de felicidade.

Descobriu que o "quase" fazia sentido na sua vida. E que um sorriso de lado é mais latente do que sem graça. E sem graça ela ficava, quando sentia que fazia alguém feliz.

Ela viu que podia ser feliz com pouco. Janelas, por exemplo. Para ela, janelas tinham um significado especial. De certa forma, elas formavam uma espécie de moldura para sua felicidade.

Porque a menina dos olhos quadrados via o mundo assim, através da sua própria janela. Era perigoso ter os olhos com essas formas. Era como se expor ao mundo de uma forma meio esquisita. Aquela mesma de jogar o granulado no chão, disperso, sem destino, porém com alguma sina.

Já deu para notar que a menina dos olhos quadrados adorava janelas. Sempre que estava indecisa, ficava bem pertinho delas, e quando conseguia descobrir se estava mais para o lado de fora, ou um pouco mais para dentro, ela finalmente, podia fazer o que o seu coração mandasse.

Só que nem sempre fazer o que o coração manda é fazer a coisa certa. Mas ao mesmo tempo, ela não podia mandar no coração. Oha que coisa mais esquisita: manda, não manda. não manda, manda. Como pode?


ah. E dentro dos curtos prazeres do sorriso-moldura, ela descobriu que fechando os olhos, podia perder a forma das estrelas. Assim, como as luzes dos postes. Aliás, como duas coisas tão diferentes podiam ser tão parecidas? ( isso também funciona com pessoas)

Postes e estrelas. Pessoas diferentes, porém iguais: Juntos, eram como sílbas sem sentido formando palavras bonitas.
Por falar nisso, como o granulado podia ser tão bonitinho, com um nome tão infeliz?
Foi aí que a menina descobriu que o brigadeiro sem rosto de granulado não tinha tanta graça.

Bom mesmo era comer na janela, enquanto as bolinhas coloridas caissem lá embaixo, bem longe, onde ela não pudesse ver.

O céu poderia virar uma ávore de natal. E toda vez que ela o acendesse com o granulado coloridinho, essa menina podia ser feliz.

Mas é sorriso de quem já consegue se ver do outro lado da janela.

Já fora dos seus olhos. E ainda mais perto de outro céu.

Bem perto de outra alma.

Na verdade, os seus olhos eram uma janelinha com vista para outro céu.

(o teu céu...)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

diálogo fofinho

- te dou um beijo se você adivinhar o que tem nas minhas mãos.

- é amor?

- ninguém pose segurar o amor, seu burrinho.

- saudade?

- se eu sentisse saudade, ela não caberia em uma só mão.


- é um segredo?

- de certa forma, sim.

- é um beijo?

- (a menina corou) adivinhou. E agora?

- Mas você disse que não podia segurar o amor. ( o menino corou)

- isso foi uma declaração?

- de certa forma, sim.

O menino deu um beijo na bochecha mais vermelha do mundo e foi embora com as duas mãos fechadas.

Dessa vez, o segredo era saudade.

trecho do conto "amar-elo"

"Ah já sei. Amor platônico é isso. É algo que está tão longe que a gente não consegue ver.Não pode pegar, não pode sentir. O que essa menina não descobrira ainda, afinal ela era muito nova, era que longe pode significar perto, quando são as almas que se tocam."

é pra sempre

Não era amor quando a perna tremia, porque ninguém consegue caminhar assim por muito tempo.

não era amor quando o coração batia a ponto de deixar a alma sem ar.
já viu balão voar sem ar?

não era amor quando a saudade sufocava.
quem tem que apertar é o abraço, não a saudade.

mas era amor quando eu pensava em paz, sorrisos e brigadeiro.

quando a calma parecia o mar em seus dias mais bonitos.

e quando eu olhava para o horizonte e pensava no caminho para chegar até você.

" que seja reto e nunca mais torto".

era amor quando via cada neném e imaginava tua ternura.

é amor. E é pra sempre.

a-m-o-r

4 letras.
5 sentidos. Entre eles, a vida.

domingo, 13 de novembro de 2011

Despedida

Pra quem fica, é a dedicatória do arrependimento.
(sem olhar para trás)

94 dias.

E quando a gente for embora, vai ser tarde demais. Pra você, vai estar escuro.
Mas pra gente, a lua já vai estar pronta pra ser feliz :)

Vazio

Vazio é quando perdemos nossa própria alma.

( por que te tornaste tão vazio e pequeno?)

sábado, 12 de novembro de 2011

Página virada

(finalmente) e próxima página é em branco. :)

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Tiago

Minha força.
Meu carinho.
Meu amor.

o sol sorrindo no papel.

=)

Vai saber?

terça-feira, 1 de novembro de 2011

no céu

Só o amor se submete a Deus.
A paixão tenta ser maior que ele.